Soyuz Pular para o conteúdo

Laika, mascote da Soyuz

Blog

10 de maio de 2010 / cbachini

A Voz da Bahia

, , , , , , ,

É assustador e ao mesmo tempo instigante pensar que os anúncios para rádio do maior anunciante do Brasil passam por uma solução elaborada pela Soyuz. Você deve imaginar o quanto é importante que este serviço esteja no ar vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. O que vamos contar aqui é como soluções simples são sempre melhores.


A Voz do Brasil é um dos estúdios mais tradicionais e com maior prestigio do Brasil. Já são mais de trinta anos produzindo áudio para publicidade. Quando Alan Terpins, sócio-diretor , nos procurou para solucionar o problema de Casas Bahia, ele já conhecia nosso trabalho. Nós já havíamos implantado com sucesso o sistema de gestão de Jobs da produtora. (Contaremos esse caso em outro artigo). O que ele precisava: disponibilizar de maneira simples e rápida os áudios para que as rádios do Brasil inteiro pudessem colocar no ar. Isto tudo fora da sede da empresa, mais especificamente, dentro do anunciante.

Nós já tínhamos nossa solução de transmissão de arquivos. Só nunca tínhamos trabalhado numa escala tão grande. Nossa proposta: servidor com Linux, linha privativa de transmissão de dados, sistemas web em PHPe MySQL. Requisito básico: o sistema tinha que integrar perfeitamente com o MacOS. Para isto, usamos um servidor de arquivos com Samba. Além disto, para que um único usuário tomasse a banda toda da conexão, usamos o CBAND, um limitador de velocidade de downloads.

Fizemos a consultoria para contratação da linha de dados. Neste caso, via microondas, pois a localização do anunciante não permite o uso de fibra óptica. O servidor está funcionando com OpenSUSE. Hoje em dia talvez usássemos Ubuntu, mas a confiabilidade alemã do SUSE é incrível. São 3 anos no ar sem sustos. Quanto ao servidor: é uma máquina comum. Nossa experiência mostra que o com GNU/Linux não é precioso um monstro de hardware para um desempenho excelente. Mesmo por que, em caso de pane, podemos substituir o equipamento e colocar o sistema funcionando em algumas horas. Mas isto nunca foi necessário.

São cinco mil acessos por mês. Bugs acontecem, mas são raros. Média de 1 por semestre. Monitoramos remotamente e constantemente o servidor, via SSH, dos nossos laptops ou até mesmo dos celulares. Uma solução é boa quando cliente e desenvolvedor podem dormir tranqüilos à noite.